Total de visualizações de página

quinta-feira, 27 de setembro de 2012

UM CARROSSEL DE PRECONCEITO E DISCRIMINAÇÃO



CARTA ABERTA AOS PROFESSORES, DIRETORES, PAIS E FAMILIARES.
A Escola Municipal de Educação Infantil “ Guia Lopes” comprometida com ações que valorizem as diferenças e tonifiquem a autoestima de todas as crianças com idade de 3 a 5 anos através do combate a qualquer ação que dissemine o racismo, o preconceito e a discriminação na infância torna público o repúdio à novela Carrossel, veiculada diariamente pelo SBT ( Sistema Brasileiro de Televisão). Trata-se de uma novela dedicada ao público infantil que se passa em uma pretensa escola , com supostas profissionais da educação em que alunos personificam  os mais variados estereótipos e  vivenciam situações inaceitáveis nas quais  a criança negra é frequentemente humilhada,  a beleza e a superioridade da criança branca são enaltecidas, as crianças com sobrepeso são ridicularizadas e o espírito competitivo é levado ao extremo. A cada episódio, uma das crianças é exposta às ações do grupo que  planeja situações vexatórias seguindo um enredo  que reforça tudo o que nós combatemos e acreditamos deva ser combatido.  Cirilo, um menino negro, pobre, e de boa índole é apaixonado por Maria Joaquina, menina branca, rica e cheia de soberba. Para ilustrarmos a perversidade existente nas relações entre as crianças da pretensa “Escola Mundial”, citamos  o episódio em que um grupo de garotos resolve convencer Cirilo que, para conquistar Maria Joaquina, seria necessário  comprar um tônico para ficar bonito. Cirilo, sendo uma criança com baixa autoestima, pega as moedas de seu cofrinho e compra a milagrosa loção feita por seus  “colegas”.
São evidentes os efeitos nefastos da insensibilidade, do desconhecimento do universo infantil e do desrespeito à dignidade a que todos temos direito.  Várias de nossas crianças têm verbalizado o seu descontentamento em serem negras e o desejo de mudar sua cor de pele, enquanto outras formam grupos impenetráveis de “Marias Joaquinas”, negando-se a usar o uniforme e estabelecendo competições de roupas e acessórios. Atentas a estas manifestações, estamos trabalhando para mobilizar a atenção da comunidade de pais e docentes para que sejamos, todos,  criteriosos e críticos em relação à programação infantil a que ficam expostas nossas crianças.
Para aqueles que ainda não conhecem a novela, é possível constatar as características de alguns personagens no site promocional da referida emissora: (http://www.sbt.com.br/carrossel/personagens/)
Assinam a presente manifestação a equipe administrativa e pedagógica e todas as professoras da EMEI GUIA LOPES. São Paulo, 27 de setembro de 2012.

37 comentários:

Anônimo disse...

Deveríamos, então, repudiar a todas as crianças que praticam "Bullying", na vida real, ao invés de encarar o problema e mostrar a solução. Vamos todos fechar os olhos e culpar uma história de ficção pelos maus do mundo! Que tal censurar a novela? Os desenhos? Filmes? GENIAL!
Parabéns ao autor ou autora deste texto. Podemos perceber o quão preparados estão os educadores públicos! Parabéns! Querem confete?!

Emei Guia Lopes disse...

Caro(a) anônimo(a),
O fato de não se identificar nos impede de estabelecer um diálogo inteligente...
Uma pena.
EMEI GUIA LOPES

Andréa Rocha disse...

Parabéns a iniciativa. Imagino que a moção de repudio não seja de uma pessoa, como infere o "anônimo", mas sim de um grupo que quer se posicionar de maneira concreta. Como combater o "bullying" na vida real, se não o combatemos nos instrumentos que invadem nossas casas diariamente. Estou compartilhando a moção dessa escola e, quem sabe, outros agentes coletivos também se posicionem.

Andréa Rocha disse...

Parabéns a iniciativa. Imagino que a moção de repudio não seja de uma pessoa, como infere o "anônimo", mas sim de um grupo que quer se posicionar de maneira concreta. Como combater o "bullying" na vida real, se não o combatemos nos instrumentos que invadem nossas casas diariamente. Estou compartilhando a moção dessa escola e, quem sabe, outros agentes coletivos também se posicionem.

Viviane Jantim disse...

Excelente iniciativa! Parabéns! Nossas crianças precisam de pais e educadores conscientes, que indiquem um caminho saúdavel para enfrentar os problemas que a vida nos traz, vivenciar as experiências, sejam elas boas ou ruins é a única e melhor maneira de buscar soluções, expor crianças a situações que talvez ela nunca vivência na vida real e até mesmo "acordar" essas crianças para situações tão prejudiciais só pode gerar mais situações de conflitos, seja na escola ou em casa.

Viviane Jantim - Piracicaba - SP

Gaby Patriota disse...

Como mãe e cidadã consciente só posso dar os parabéns à vocês, divulguei esse repúdio para todos os meus contatos de minhas redes sociais. Parabéns pela ação, continuem com esse trabalho tão importante. Ao invés de confetes, desejo chuva de flores sobre sua escola!
Gabryelle Patriota

Fernando M Soares disse...

Não acompanho a referida novela, aliás, novela alguma já há pelo menos 20 anos. Mas deixo aqui meu total acordo com o texto no blog da escola de vocês.

Também sou profº na rede pública estadual de SP. Leciono geografia no fundamental ao médio e lhes digo que diariamente há uma luta para combater, entre outros, o bullying na escola. Situações são as mais absurdas como de uma aluna da 6ª série que se recusou a sentar perto de outro só porque o rapazinho estava com a camiseta rasgada. Poderia elencar várias outras, mas não é o caso...

Provavelmente o(a) "anônimo(a)" que se diz o esclarecido(a) provavelmente reproduz aos seus filhos/parentes dia a dia o discurso do politicamente incorreto e COVARDE tão difundidos(Rafinha Bastos, Mayara Petruso, Jair Bolsonaro para citar alguns adestradores de opinião) travestido de "Não tem nada a ver chamar de pretinho", "Olha lá o viadinho do vizinho" atualmente. São estes que dificultam as possibilidades de uma sociedade melhor em conjunto com as emissoras e suas novelas e programação imbecilizante e imoral como a novela em questão..

Vivemos um período difícil, a cada dia pior por conta do estabelecido poder dos ignorantes.

Encerro aqui deixando minha admiração e total apoio contra ao que fazem com nossas crianças.

Fernando M. Soares
Profº na EE Ibrahim Nobre - SP

Val e seu Gui disse...

Excelente a iniciativa de vocês. Temos sim, que repudiar tudo que transforme a vida das nossas crianças em tumulto, desafeto, desrespeito. Concordo com tudo que foi dito, não precisamos levar esse tipo de "distração" para dentro de nossas casas. Nunca nem vi a tal novela, nem qdo a original passou e eu era criança.

SKié disse...

Leí o ártigo desde Espanha, não acredito o burro que foram nessa televisão.
Estou con vocês embora more bem longe. Parabéns à autora!

Juliano Correa disse...

Por um lado, a "arte imita a vida": a novela é uma regravação da original dos anos 1980 feita no México e, nessa época, os principais pactos internacionais de defesa da criança, de não-violência, anti-racismo etc. ainda não haviam sido firmados. A novela refletia hábitos e costumes de uma época e cultura bastante específicos, tanto na visão de infância, quanto na própria forma de se fazer dramaturgia.
Por outro lado, é inegável que a teledramaturgia exerça papel de formação de opinião, retroalimentando a sociedade com papéis de gênero, estereótipos raciais, sociais, de origem nacional, religiosos etc. Talvez, em nome da luta contra a censura, não seja viável a retirada do ar de uma obra de ficção; mas, talvez, fosse necessário classificar com indicação de faixa etária apropriada para assistir à novela, pois existe conteúdo racista e de incitação ao ódio e à violência. Ou talvez fosse necessário readaptar o enredo para nossa própria cultura e época, bem como aos pactos pró-infância e legislações vigentes.

Fernando M Soares disse...

Não acompanho a referida novela, aliás, novela alguma já há pelo menos 20 anos. Mas deixo aqui meu total acordo com o texto no blog da escola de vocês.

Também sou profº na rede pública estadual de SP. Leciono geografia no fundamental ao médio e lhes digo que diariamente há uma luta para combater, entre outros, o bullying na escola. Situações são as mais absurdas como de uma aluna da 6ª série que se recusou a sentar perto de outro só porque o rapazinho estava com a camiseta rasgada. Poderia elencar várias outras, mas não é o caso...

Provavelmente o(a) "anônimo(a)" que se diz o esclarecido(a) provavelmente reproduz aos seus filhos/parentes dia a dia o discurso do politicamente incorreto e COVARDE tão difundidos(Rafinha Bastos, Mayara Petruso, Jair Bolsonaro para citar alguns adestradores de opinião) travestido de "Não tem nada a ver chamar de pretinho", "Olha lá o viadinho do vizinho" atualmente. São estes que dificultam as possibilidades de uma sociedade melhor em conjunto com as emissoras e suas novelas e programação imbecilizante e imoral como a novela em questão..

Vivemos um período difícil, a cada dia pior por conta do estabelecido poder dos ignorantes.

Encerro aqui deixando minha admiração e total apoio contra ao que fazem com nossas crianças.

Fernando M. Soares
Profº na EE Ibrahim Nobre - SP

Rose Misceno disse...

Nunca vi a novela. Acredito que a escola deva exercer esse papel de alertar os pais, que ás vezes não assistem, mas permitem que seus filhos assistam. Minha filha de 3 anos já sofreu uma situação de agressão verbal por sua baixa estatura em relação ao amigos. Não acredito que a novela tenha "culpa" pelas crianças que agridem outras com preconceito, mas é preciso senso crítico apurado para discernir o que é ficção e vida real, mas crianças de 3, 4 e 5 anos não possuem essa percepção e com certeza reproduzirão aquilo que estão aprendendo na telinha!

Ótimo texto.

Ana Júlia disse...

Olá, como mãe e cidadã também estou muito preocupada com o conteúdo inapropriado deste folhetim. Além do excesso de merchandising! É realmente um abuso.

Anônimo disse...

Olá, sou outro anonimo. E tenho um discurso profundo a fazer através de estudos que realizei durante anos:

Ninguém é forçado a assistir carrossel.

Aqui termino minha tese de doutorado.

Anônimo disse...

Sou um outro anonimo e tenho um discurso profundo a fazer sobre uma conclusão, a qual dediquei anos de estudo:

Ninguém é obrigado a assistir carrossel.

Aqui termino minha tese de doutorado.

Marco Aurélio disse...

Eu assisti a novela quando ainda era criança, e agora vejo alguns capítulos já sendo adulto. Discordo do texto, realmente os personagens existem e passam por situações constrangedoras, porém o enredo sempre deixa claro que é maldade, é errado, e a professora procura corrigir os alunos com bondade. O sentimento que tive quando era criança e agora como adulto não mudou em nada, acho que a novela embora com um contexto diferente pela época que vivemos ensina as crianças a ficarem do lado dos fracos e não ao contrário.

Fabiane disse...

Não sou a pessoa mais indicada para comentar TV. Nunca gostei muito e com o passar do tempo fui deixando de assistir.
Outro dia, um de meus filhos disse que grande parte dos colegas assiste a essa novela, que ela "é para crianças".
Meus filhos ficam chateados porque não podem ver TV no meio da semana e mesmo no final de semana há um certo controle sobre o que assistem. Adoram as férias porque têm acesso livre na casa dos avós. Olham-nos como se fôssemos ETs por não ligarmos a TV à noite enquanto "todo mundo" assiste à novelas e telejornais. Suspeito que ficam até com mais vontade por conta das proibições. Acontece algo parecido com games.
Então, não sei se nossa atitude é a mais interessante, o tempo é que dirá.
Mas, pergunto: será que só a gente acha estranho uma caixa com imagens ditar comportamentos, valores, moda, música, desejos e até sonhos?
Vai ver somos ETs mesmo...
Adorei essa iniciativa do EMEI de discutir a questão e expor o viés preconceituoso do programa.
Proponho aos pais: leitura com as crianças, contação de histórias no lugar da TV. Vamos dar menos importância a ela. Viver sem a babá eletrônica dá mais trabalho, mas estou certa de que nossos filhos sairão ganhando. E nós também.

Ernandes Evaristo disse...

Acredito que uma boa história, um bom roteiro são capazes de ensinar os valores que as crianças devem cultivar em suas vidas desde pequenos de maneira lúdica e saudável.
Nota-se que a superficialidade dos personagens induz a quem não está maduro psicologicamente(nossas crianças) a assumir valores e posturas incompátiveis com o comportamento ético e moral que desejamos aos nossos filhos, por isso apoio o manifesto dos profissionais desta escola, lembrando que é possível entreter sem distorcer o carater ainda em formação das crianças, afinal de contas é preciso definir de maneira clara e sem máscaras se desejamos viver em mundo melhor para todos, ou apenas para alguns desde de que estejamos nesta parte "melhor".

Tais Vinha disse...

Tomei conhecimento da carta através do Movimento Infância Livre de Consumismo e tomei a liberdade de compartilhá-la em meu blog. Parabéns pelo texto e pela postura em favor da infância. Fico imensamente feliz em perceber o quão estão preparados os educadores públicos desta instituição.

Adriana Perassolo da Silva Vinha disse...

Parabéns para toda a equipe do emei Guia Lopes! como pais temos que estar atentos ao máximo de programas, revistas, amigos, filmes, desenhos e não apenas proibir mas mostrar o porquê de não permitir que convivam com tal assunto, mostrar o outro lado com carinho e paciência, mil vezes se necessário, os pais TAMBÉM educam! devemos tomar para nós as nossas responsabilidades e acolher um bom conselho quando dado com tanto carinho. Muito Obrigada e parabéns!
Adriana Vinha

Paula Tiago disse...

Sou Professora da Educação Infantil e concordo plenamente com o texto, faz todo o sentido e fico feliz quando uma equipe pedagógica inteira tem coragem de expor sua opinião diante de um assunto tão polêmico como esse.Tenho um blog: http://fazdecontaquesei.blogspot.com.br/ que levanta questões do universo infantil e vou divulgar esse manifesto lá.

Jhonata Brasil disse...

vcs não acham q esse é ápice da história? ou seja, colocar uma devida situação ruim, pra depois mostrar o lado que é certo, pra mostrar a moral e o lhe de fato deve ser feito?
se nao tivesse isso, será q essa novela seria um sucesso, somente com crianças que fazem tudo certo, sem uma lição a cada capítulo?
acho q eles apenas estão mostrando o dia-a-dia. e se os alunos das escolas estão iguais aos personagens, isso passa, é a fase da novela, depois no final todo mundo se torna bom, e muda esse jeito grotesco q a novela mostra.
e com certeza a cada capítulo é mostrado q a atitude dos devidos "vilões" da história, e os q praticam bullyng, não bem visto pelos olhos de ninguem!

@Angelica_MV_ disse...

Sou negra, assisti a primeira versão da novela, e nunca sofri reflexos da mesma. A questão é que hoje em dia quase toda programação infantil incentiva a prática do bullying, sem querer ou às vezes até propositalmente. Cabe aos pais sentarem com seus filhos e ensinarem o que é certo. Na maioria das vezes são os próprios pais que ensinam errado, que dão o mau exemplo para a criança. Achei um equívoco da parte de vocês, mesmo que tenha sido bem intencionado.

Anônimo disse...

Concordo com o texto. Essa novela está cheia de estereótipos e situações que não deveriam ser mostradas às crianças. Talvez na primeira versão da novela o contexto fosse diferente, mas atualmente as crianças precisam de programas de televisão que ensinem coisas melhores que esse cotidiano escolar cheio de situações de bullying. Ninguém pode censurar a imprensa, mas acho correto o uso de internet para expressar opiniões como essa.
Parabéns pelo texto!

Ritaelias disse...

Se a população adulta, na maioria das vezes, não consegue discernir o tema propagado na TV brasileira, imagina uma criança? Pensam logo que é modismo, cultura, modernidade. Deveria-se mudar a forma de transmitir as informações para o público. Deveria-se buscar uma comunicação mais entendida pela população que se precaria da educação brasileira e seus próprios conceitos.

Ritaelias disse...

Se para a maioria da população adulta já é difícil discernir alguns temas propagados na TV brasileira, imagina uma criança, no auge da sua inocência?
Deveria-se mudar a forma de transmitir a informação ao público. Na atual situação de precariedade que se encontra a educação brasileira, se está na TV ou qualquer outro tipo de mídia, subentende-se que é modernidade e, quem quer se sentir ultrapassado?

pribrito disse...

Boa tarde, eu particularmente não concordo com o que vocês expõem aqui. Sou da geração que assistiu o primeiro carrossel e a novela não me afetou de maneira alguma. Na verdade, vi diversos comportamentos, dos meus colegas de escola, semelhantes aos que a novelinha retratava e podem ter certeza que não era culpa da dramaturgia e sim do tipo de educação que aquelas crianças recebiam em casa. Acho que vocês devem tomar o exemplo do que é exposto em Carrossel e reforçar os valores corretos com os pequenos, e claro, não esquecer de que isto deve ser trabalho em casa também. Abraços.

simone disse...

Desculpe, mas tudo isso que a novela retrata faz parte do cotidiano infantil, sim.
Há um círculo imenso de responsabilidades envolvidas, a começar do topo da direção da novela
Depois, mães que trabalham, precisam cuidar de afazeres domésticos e não encontram opções na tv para distrair os filhos à noite.
E ainda, as educadoras dessa escola, que batalham arduamente com crianças cada vez mais precoces.
Caberia aqui então uma nova discussão entre as educadoras e as resonsãveis pelo blog, sobre, como trabalhar dentro dessa difícil realidade.
Luz e paz com abraços do interior de SP.

Letícia disse...

Realmente, a novela mostra o lado mais perverso do ser humano. E pior: quando ainda somos crianças. Em parte, serve para desmistificar o conceito de que toda criança é inocente e de que não há maldade infantil. Pois o que vemos são manifestações iniciais de desvio de caráter; se não forem devidamente orientados, teremos adultos preconceituosos, cínicos, mentirosos, sem nenhum escrúpulo (perfeitos sociopatas). Por outro lado, serve também como alerta para que pais estejam atentos ao que seus filhos estão expostos na mídia. Isto é, este tipo de programa deve ser visto com a família, para que os pais possam orientar as crianças quanto ao que é certo e errado. Mostrar que a maldade produz consequências terríveis, além de prejudicar a vida inclusive de quem a praticou. Não creio que seja necessário eliminar o programa, mas que ele sirva como instrumento de reflexão. Cabe à nós, pais e educadores, orientar nossas crianças sobre o que está sendo mostrado na novela. Portanto, creio que vocês da escola devam usar a novela como parte de um programa de orientação sobre valores, virtudes, princípios e direitos humanos, junto com os pais das crianças. Tenho certeza de que vocês obterão melhores resultados do que simplesmente tentar impedir a exibição do programa.

4C-ester@blogspot.com disse...

Olá! Parabéns, pela iniciativa! É muito importante que a escola esteja atenta a tudo quanto ocorre no dia a dia, para efetivamente construir um currículo vivo. Infelizmente o menino da novela é capa de uma revista "pasmem" voltada, para o público negro. A crítica não é a atuação do ator, mas ao papel, por ele desempenhado. Cadê a família? Que triste! Fraterno abraço, Professora Maria Ester.

Hegli disse...

Muito feliz com uma inicativa desse porte.
Significa que esta escola realmente se preoucupa com os valores que são passados aos seus alunos!
Parabéns!

Juliana Bettini disse...

Acho justa a preocupação desta escola e feliz em ver que há profissionais realmente têm essa visão. Porém, tenho uma filha de 6 anos apaixonada pela novela. O que eu faço? Proíbo ou libero?
Minha resposta é: nem um nem outro. Eu assisto com ela e, diante de cada situação que considero conflitante procuro conversar e mostrar os porquês, como deveria ser a reação... Enfim, puxando um pouco pela história da Bela Adormecida em quem seu pai, o rei, deixa a filha alheia ao perigo que esta corria, eu busco mostrar o caminho. Porque a maldade, a descriminação,o preconceito existem e não podemos criar nossos filhos em mundos cor de rosa. Como pais e educadores, precisamos indicar os caminhos do bem, pq ao contrário do que gostaríamos, o mundo é um lugar feio e injusto com a maioria!

Att,

Juliana Bettini

Anônimo disse...

Creio que o intuito de tal repúdio vem do fato de as escolas estarem cada vez mais empenhadas na eliminação do Bullying e do preconceito entres os alunos.. o que situações como as que acontecem em novelas como estas acabam por destruir os preceitos e condutas almejadas pelas campanhas propostas. Ariely Cristina.

hkclebicar disse...

Meu Deus!!

Deixa a novela passar o que bem entender! Novela não foi feita para educar crianças!! Muito menos estorinhas dos Irmãos Grimm!

Talvez devéssemos proibir as estórias de fada também já que ensinam que velhinhas geralmente são bruxas! Que jumento fala, que trata os anões como incompetentes e idiotas, as madrastas malvadas!


Cuidado com o festival de Caça as Bruxas!!! As crianças são mais espertas que um ou outro comentário de aluno que os pais e a escola real não ensina que aquilo NÃO É REAL !!!

O que eu ensino a minha filha deste cedo que ela não tenha medo da luz e do escuro! Luz de mais cega, luz de menos não vemos nada! Apesar das coisas ainda existirem na nossa frente! Ensine-as a andar sem depender dos olhos!
8

Vanessa Maciel disse...

Parabenizo ao EMEI Guia Lopes pela iniciativa. Creio que muitos pais hoje em dia não se preocupam em educar seus filhos e passam essa responsabilidade quase que 100% para os professores. Esses pais se esquecem que os professores ensinam, mas os pais devem passar os princípios básicos da boa educação (não é a toa que dizem que a educação vem de berço). Percebo cada vez mais os pais terceirizando a educação dos filhos. Vejo isso na minha família mesmo, entre meus irmãos e parentes próximos. Pais, mães que trabalham o dia inteiro, mantém o filho em uma instituição de ensino + atividades extracurriculares.. ou mesmo com avós, tios... isso quando não estão na rua aprendendo com o mundo. O que vejo são pais preocupados com o dinheiro, em "dar uma boa vida" ao filho. Mas será que é isso mesmo? Que boa vida um filho pode ter sem os pais por perto? Que melhor vida eu poderia dar ao meu filho se não a educação, o amor e carinho... o tempo a dedicar a eles. Deus confiou suas vidas a mim e por isso devo cuidar, educar e guardá-los pare serem homens e mulheres íntegros e assim transmitirem o mesmo à seus filhos.
Também estou indignada com essa novela e mais indignada pelos pais que preferem que seus filhos estejam vidrados na tela da televisão enquanto eles fazem suas atividades "em paz". Criança é benção, não atrapalha...

Emei Guia Lopes disse...

A equipe da EMEI Guia Lopes agradece às manifestações de apoio e crítica. Todos os comentários postados serão objeto de discussão nos horários coletivos de formação dos professores e nortearão o Projeto Didático 2013 de nossa escola.
O envio desta carta aos familiares de nossas crianças foi extremamente positivo, possibilitando-nos perceber que as falas infantis mudaram de rumo e as argumentações ganharam novos tons.
Nosso profundo agradecimento a todos vocês!
Abraços
EMEI GUIA LOPES

Cláudia disse...

Parabenizo a EMEI pela iniciativa. Eu sou exemplo vivo de como as crianças reproduzem o que vê. Tenho duas filhas, 10 anos e 5 anos - aluna de EMEI. A mais nova mudou o comportamento e suas atitudes condizem com falas idênticas às das crianças da novela. Ela chora nos finais de semana por não passar a novela, e seu "vício" está atrapalhando sua convivência dentro de casa e ao brincar. Converso muito com ela para não reproduzir as atitudes de Maria Joaquina. Mas com cinco anos ela não está preparada ou não consegue assimilar o certo e reproduz o que é negativo nela e com as bonecas. Tenho orado e pedido a Deus para que minha filha tão carinhosa consiga "dentro de si" deixar de lado essa novela, pois, algumas vezes desligo e brinco com ela, mas ela já decorou até o horário e fica aflita e agitada quando está para começar a novela. Sei que não deveria ter deixado ela assistir. Porém, agora tenho um árduo caminho em tentar reverter o que de negativo ela aprendeu.
Cláudia, mãe.